quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Sombras da saudade

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sabe, eu ainda sinto tua falta, às vezes...
Não sei dizer a razão, mas ela vem forte, arrebatadora. 
Por vezes lembro sorrindo, por outras, com os olhos se enchendo... 
Mas sempre saudade. Dói, sabe? Por vezes penso que não conseguirei 
me controlar, mas consigo. Sempre deixo o receio vencer. 
Receio de que tu não sintas o mesmo, e na verdade eu sei que não sentes. 
Às vezes, penso que não mereces nem 1/3 dessas saudades, 
por simplesmente não te importares. Mas juro, se soubesse que te importas, 
te procuraria sempre que a saudade viesse me atormentar, 
saberias o quanto ela é forte, o quanto tu fazes falta. 
Tu, aquele que existia antes, não esse ser que te dominaste 
e te fizeste esquecer quem tu és realmente, quem tu nunca deverias ter 
deixado de ser. Eras simplesmente perfeito... 
Agora? Agora és isso aí, és algo sem definição.